quarta-feira, 28 de março de 2007

Diário Web entrevista sobre O Segredo - The Secret

O jornal Diário Web (http://www.diarioweb.com.br/) publicou, hoje, entrevista comigo sobre o filme "O Segredo". Abaixo, publico a íntegra da entrevista.


Entrevista
Aldo Novak revela “O Segredo”

Em entrevista ao Diário, o consultor e coaching Aldo Novak detalha como podemos aplicar a história do documentário “O Segredo”, que estréia no Brasil esta semana, para o desenvolvimento material e espiritual.

leia mais...



DW - Como gerar a emoção que é preciso para que nosso desejo se torne realidade?

Fabiano, a pergunta é ótima. Mas antes de responder, vamos entender o que é uma emoção. A definição de emoção é de que ela é um pensamento ligado a uma sensação. Só isso. Quando eu tenho uma sensação que, na minha mente, está amarrada a um pensamento, isso é chamado de emoção.

Toda vez que eu penso em alguma coisa e surge uma sensação, boa ou má, isso mostra um link emocional com aquele pensamento. A fórmula é: P+S=E, ou seja: eu penso, depois sinto e isso gera uma emoção. Posso até sentir antes de pensar, mas quando eu me lembrar, necessariamente, será P+S=E.

Então, para gerar emoção positiva, que é aquela da qual trata o filme, só temos que lembrar ou imaginar coisas que provoquem sensações boas, em nós. E sensações boas, associadas a lembranças ou pensamentos bons, são boas emoções.


DW - Como podemos ter aquela iniciativa, assim com as pessoas que dão depoimento no filme?

Iniciativa é muito fácil de ter. Todos nós temos iniciativa. Acho até engraçado quando leio sobre algum curso de como ter iniciativa. Eu nunca encontrei uma única pessoa que não tivesse iniciativa.

Todos nós já começamos inúmeras coisas, mesmo que tenhamos demorado apenas 5 segundos, nessa iniciativa. Então, o problema não é termos iniciativa. É termos acabativa. Acabativa é a habilidade em terminar aquilo que começamos.

E, para termos acabativa, o jeito mais fácil é fazermos como as crianças fazem, enquanto esperam os presentes de natal. Elas imaginam a si próprias brincando e se divertindo com os presentes.

Da mesma forma, é isso o que dá força para que você ou eu possamos obter aquilo que desejamos. É vivenciar antecipadamente aquilo que receberemos, no futuro.


DW - Por quê, em determinados momentos da vida já aplicamos "O Segredo" e as coisas deram certo e agora, que sabemos como fazer e temos dificuldades para aplicá-lo?

Porque a maioria de nós aplicou “O Segredo” de forma empírica, no “chutômetro”. Alguns de nós, nem notaram que estavam usando “O Segredo”, quando as coisas deram certo.

Ninguém jamais parou para nos ensinar a técnica e a importância de fazer certas coisas da forma que gerasse resultados. Nossos amigos, pais, professores, além da TV, do rádio, jornais e os milhões de propagandas que assistimos, tentam nos convencer de que tudo o que somos é resultado de algo que não controlamos. E isso é falso.

De certa forma, nós desaprendemos “O Segredo” quando nos tornamos adultos. Essa é a dificuldade.


DW - Mesmo acreditando na "lei da atração" e praticando "O Segredo", como fica a questão do tempo? Podemos antecipar uma conquista ou tudo tem sua hora?

Claro que podemos antecipar uma conquista. E essa é a parte divertida da vida!

Na verdade, se a gente pensar um pouquinho, descobrimos que esta é a base, por exemplo, da administração básica de qualquer empresa. A gente acelera os resultados que buscamos. A “lei da atração”, quando usada por qualquer um de nós, também tem os mesmos resultados. Mas é muito mais divertido, já que, aplicando os princípios do “Segredo”, a gente sente antes o que vamos sentir depois.

Basta seguirmos os procedimentos descritos no filme. Tudo tem sua hora, mas podemos acelerar muito essa “hora”.


DW - Quando usamos "O Segredo", mentalizamos algo e queremos muito temos de focar e fazer isso todos os dias?

De jeito nenhum! Não “temos” que fazer nada. Quando “temos” que fazer algo, o prazer vira trabalho. “O Segredo” é sobre prazer, sobre emoções poderosas e boas, não sobre obrigações. Claro que, quanto mais “vivermos” os nossos desejos mais profundos, mais rapidamente mudamos nossa realidade.

Em PNL, isso é chamado de “Ponte ao Futuro”. De certo modo, fazemos uma ponte ao futuro direta, quando usamos “O Segredo”.


DW - Quando jogamos algo para o universo temos de esperar? Dê um exemplo.

Esperamos exatamente quanto achamos que temos que esperar. Mas não quanto achamos racionalmente, e sim quanto achamos de verdade, no fundo. Nem mais, nem menos. E esse tempo é dado por nós, não pelo ‘universo”.

É mais ou menos como se, de uma hora para outra, passássemos a ter mais sorte. Você sabe o que é sorte? É o ponto exato em nossas vidas em que a preparação se encontra com a oportunidade. O problema é que o universo envia a oportunidade sempre que pedimos, mas esquecemos de nos preparar para aproveitá-la.

É como se desejássemos pegar um ônibus que vai para o litoral. Mas esquecemos que temos que estar no ponto de ônibus certo, pelo qual ele passe. Então, muita gente tem os ônibus da oportunidade passando o tempo todo, mas não notam isso, porque simplesmente estão olhando para o outro lado, ou pior, quando o ônibus passa, elas não se prepararam: as malas, o dinheiro e os documentos ainda estão em casa.

Quando não acreditamos que o ônibus passará, não levamos essas coisas conosco e não nos preparamos para aproveitar as oportunidades. Então, achamos que somos azarados e que o universo não nos ajuda em nada. Mas é exatamente o oposto. O universo faz a parte dele. Nossa única função é agir quando o ônibus passa, e aproveitar a viagem!


DW - Como fazer para espalhar "O Segredo”?

O conteúdo do “Segredo” é espetacular, porque reúne em um filme de menos de duas horas, milhares de anos de pesquisa.

Para espalhar “O Segredo”, o melhor modo é aplicá-lo em nossas próprias vidas e mostrar, por nosso exemplo, o seu funcionamento. Nada passa mais credibilidade do que nosso próprio exemplo. É só falar menos, e realizar mais.


DW - Essa atitude pode nos ajudar a realizar nossos desejos? De que modo?

Quando espalhamos os segredo, nós também crescemos. Veja: quando estamos cercados de pessoas felizes e bem sucedidas, nossas próprias vidas ganham enormes empurrões para que sejamos também felizes e bem sucedidos. Em física, isso é chamado de “momentum”.

Há uma frase da qual gosto muito, que diz: “quando a maré sobe, levanta todos os barcos”. Na vida também é assim. Quando a maré sobe, para nossa família, amigos, escola, empresa, cidade ou país... essa maré levanta todos os barcos. Até o nosso!


DW - Como conciliar "O Segredo" com princípios religiosos, levando em conta que algumas religiões chegam a pregar o desapego aos bens, a negação da riqueza?

O Segredo” não é sobre apego a bens materiais. Na verdade, em uma das partes do filme, uma coach financeira até explica que se alguém buscar dinheiro, antes de felicidade, vai acabar sem dinheiro e sem felicidade.

A chave está em ter uma vida repleta de coisas boas por dentro, e isso vai gerar coisas boas “por fora”. O interior é sempre muito mais importante que o exterior.

E isso é desapego.

Mas não quer dizer que você não possa desejar coisas boas, ou caras. Pode e deve. O que você não pode é colocar objetos antes das pessoas – até porque isso faria você ter péssimas emoções em seus relacionamentos, e “O Segredo” é bem claro neste ponto: suas emoções são a chave para o sucesso.

Quanto às religiões, a maioria das religiões que pregam o “desapego e a pobreza”, geralmente pregam isso apenas para os seguidores. Você raramente vai encontrar os líderes dessas religiões vestindo túnicas simples e andando de chinelos, no lombo de burros, ou dormindo ao relento. Muito pelo contrário.

Mas “O Segredo” não tem nenhuma relação com religiões, por isso não creio que seja um ponto importante.


DW - Quando queremos algo, mas não com intensidade, mas às vezes falamos da boca para fora, brincamos com a situação, isso contribui para a realização, para que o desejo aconteça?

Não, na verdade contribui para nos afastar do desejo. Quando falamos algo, mas sentimos o oposto, é este sentimento que será “lido” pelo universo. Lembre-se: não é o que você pensa, ou diz. É o que você sente.

Dizer uma coisa, e sentir outra, pode até funcionar na vida em sociedade, algumas vezes, mas é mortal para sua própria vida e felicidade.

Tenha sua mente focada exclusivamente nos resultados positivos, reúna-se e converse exclusivamente com pessoas positivas e esqueça as dores do passado, que apenas funcionam com âncoras negativas que prendem você ao fracasso.

Com meus clientes de coaching, e em meus textos publicados na Academia Novak (www.academianovak.com.br), ou nas colunas de jornais, sempre mantenho foco no lado positivo das questões. E isso se reflete na vida dos meus clientes e na minha própria vida.

Uma vida maravilhosa aguarda por você, com suas idéias e seu lado mais brilhante. E, se você pensar bem, sabe que lá dentro da sua mente, e do seu coração, há algo muito especial, que você sabe que precisa trazer para o mundo. Talvez seja algo que ninguém ainda tenha notado, ou dado atenção suficiente.

Só você conhece isso. “O Segredo” é uma fórmula excepcional para ajudar você nessa tarefa, com prazer e alegria e resultados garantidos.


Publicado em 28 de março de 2007 no Diário Web

4 comentários:

Anônimo disse...

Nota dez, Aldo. Você simplesmente "estraçalhou"!

Parabéns!


Ana Cristina

Paty disse...

Queria muito ver o filme...alguém sabe onde está passando???

Beijos e parabéns pela matéria!

Irene B Roda disse...

Olá Aldo, fantástica a entrevista! Que tal pensar num workshop sobre o segredo? Estarei lá com certeza.

abraço

Carmen Sampaio Astrologia disse...

Olá Aldo Novak!
Pra começar, temos uma fantasia de que sabendo "o segredo" todos os sofrimentos serão eliminados. E não é assim que a vida se processa.
Dentro da minha área profissional, tenho visto muitas pessoas que querem apenas que as coisas "aconteçam" sem que esforços sejam feitos.
Ou como se os efeitos de quereres exagerados, e por vezes desnecessários, não nos levassem - enquanto humanidade - a consequencias. Por vezes, graves. Queremos o tudo aqui e agora.
E quais são nossas disposições em contribuir com o planeta?
Tomara "The secret" sirva para que tenhamos bom senso e saibamos usar menos os automóveis e aviões (poluidores em diversos níveis). Ou ainda criarmos veículos não poluidores e nem devastadores.
Que nos sirva a termos uma alimentação mais saudável e sem tantas embalagens, que só servem a pequenos grupos, estes sim, com seus garantidos rendimentos. Muitas vezes sem intenções de contribuir efetivamente com uma sociedade mais limpa, uma vida menos congestionada.
Tomara "The Secret" nos faça pensar em como conservar com verdadeiro Amor o nosso planeta.
Tomara Aldo! É o que desejo.
Ainda que em alguns momentos o filme "the secret" seja claro em suas afirmativas sobre preservação e cuidados com natureza e animais. Das pessoas que consultei e que assitiram ao filme (em dvd) ficaram com a imagem de que felicidade é riqueza e opulência. Ainda que o filme consiga mostrar mais do que isto. E por quê isto acontece?
Seria porque somos treinados a sempre recebermos, feito crianças?
Enfim, o filme é razoável. Me surpreendeu que tivesse tocado tão fundo a ponto de parecer o show máximo.
Nisto, nenhuma crítica. Até porque o shou máximo é viver o agora com responsabilidade. Coisa bem difícil.
Purtroppo.
Mas a questão é: muitos desejam sinceramente aquilo que não é nada bom para qualquer vivente no planeta, tais como sadismo, masoquismo e narcisismo exacerbado. Características perigosas para a nossa sobrevivência. Logo, temos também que encontrar uma forma para aprender a lidar com as tensões, dificuldades e limites que a vida nos impõe. Pois envelhecer é inevitável. A dor também é inevitável. Pois esta faz parte da existência.
Claro que farei todo e meu melhor para tornar a vida mais gentil. Pra mim, e para meu semelhante, e para o diferente também (rs).
Não estou de acordo com todo o texto de "the Secret". Concordo apenas com parte. Mas deixo para um outro momento, pois neste já me alonguei mais que o necessário.
E plagiando Shakespeare: muito barulho, por nada.

Felicidades
Carmen Sampaio